As linguagens expressivas como formas específicas de a criança se relacionar com o mundo

Entrevista com Suelly Amaral Mello

  • Suzana Marcolino Universidade Federal de Alagoas (Ufal)
  • Suely Amaral Mello Universidade Estadual Paulista (Unesp/Marília)

Resumo

Entrevista com a professora doutora Suelly Amaral Mello sobre as linguagens expressivas das crianças pequenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Marcolino, Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), é professora do setor de educação infantil do Centro de Educação (Cedu) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e membro do Grupo de Pesquisa em Pedagogias e Culturas Infantis (GPECI).

marcolino.suzana@gmail.com

Suely Amaral Mello, Universidade Estadual Paulista (Unesp/Marília)

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), é professora do Programa de Pós-Graduação em Educação na Unesp/Marília e vice-líder do grupo de pesquisa Implicações Pedagógicas da Teoria Histórico-Cultural. Entre 1978 e 1983, participou da primeira experiência brasileira de educação de crianças pequenas, na Secretaria Municipal de Educação de Piracicaba, no estado de São Paulo. Em sua trajetória, além de pensar a relação adulto e criança e a formação de professores, abordou de uma forma própria a questão das linguagens expressivas, aproximando a complexidade das formas com que elas se relacionam entre si e, mais especificamente, como as crianças se relacionam com a linguagem escrita e se constituem como escritores e leitores autônomos.

Referências

FALK, Judit (Org.). Educar os três primeiros anos: a experiência de Lóczy. Tradução Suely Amaral Mello. Araraquara, SP: J. M. Editora, 2004.

FARIA, A. L. G.; MELLO, S. A. Educação infantil e política no Brasil: relato de uma experiência. Cadernos da FFC, Unesp, Marília, v. 4, n. 2, p. 133-146, 1995.

MELLO, S. A. Proposta pedagógica para a pré-escola. Pro-Posições, Campinas, v. 6, n. 2, p. 88-90, jun. 1995.

MELLO, S. A. Algumas implicações pedagógicas da escola de Vygotsky para a educação infantil. Pro-Posições, Campinas, v. 10, n. 1, p. 16-27, mar. 1999.

MELLO, S. A. Infância e humanização: algumas considerações na perspectiva histórico-cultural. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, p. 83-104, jan./jun. 2007.

REICH, W. Os pais como educadores: a compulsão a educar e suas causas. In: REICH, W.; SCHMIDT, V. Elementos para uma pedagogia antiautoritária. Porto: Publicações Escorpião, 1975. p. 53-68.

REINACH, F. A ontogênese e o aprender. O Estado de São Paulo [jornal], 11 abr. 2013. Disponível em <http://www.abc.org.br/2013/04/12/a-ontogenese-e-o-aprender/>. Acesso em: 14 abr. 2021.

Publicado
03-05-2021