Tecnologias de informação e comunicação no ensino superior: ruptura com o modelo tradicional de ensino ou fetichismo tecnológico?

Maria do Socorro Carneiro de Lima

Resumo


A inovação pedagógica no ensino superior é anunciada como paradigma novo e o uso das tecnologias de informação e comunicação emerge como necessidade de modernização, porém utilizar tecnologias, por si só, não muda o sentido da aula. No que se refere ao fetichismo tecnológico, essa visão apresenta as tecnologias como resultado de opções técnicas, ocultando as relações sociais que as constituem em sua essência. A incorporação de novas tecnologias no ensino superior não pressupõe necessariamente novas práticas pedagógicas ou práticas inovadoras. Entretanto, a inovação no trabalho docente com a construção de novas práticas pedagógicas pode ocorrer, desde que a utilização de tecnologias de informação e comunicação esteja alicerçada em novas concepções de conhecimento, de docência e de aluno, modificando o conjunto de elementos que constituem o processo de ensinoaprendizagem tradicional.


Palavras-chave


conhecimento didático-pedagógico; educação para inovação; fetichismo tecnológico; tecnologia da informação

Texto completo:

PDF

Referências


ALTBACH, P. G. Educação superior: papéis e desafios. In: EDUCAÇÃO superior em um tempo de transformação. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009. p. 31-36.

BEHERENS, M. A. Projetos de aprendizagem colaborativa num paradigma emergente, In: MORAN, J. M. Novas tecnologias e mediação pedagógica.

Campinas: Papirus, 2000.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Portaria nº 1.428, de 28 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a oferta, por Instituições de Educação Superior – IES, de disciplinas na modalidade a distância em cursos de graduação presencial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 31 dez. 2018. Seção 1, p. 59.

BOTOMÉ, S. P. Pesquisa alienada e ensino alienante. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

CARBONELL, J. A aventura de inovar: a mudança na escola. Porto Alegre: Artimed, 2002.

CUNHA, M. I. (Org.). Pedagogia universitária: energias emancipatórias em tempos neoliberais. Araraquara: Junqueira & Marin, 2006.

CUNHA, M. I. Inovações pedagógicas: o desafio da reconfiguração de saberes na docência universitária. São Paulo: Universidade de São Paulo, Pró-Reitoria de Graduação, 2008. (Cadernos de Pedagogia Universitária, 6).

CUNHA, M. I. O lugar da formação do professor universitário: o espaço da pósgraduação em educação em questão. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 9, n. 26, p. 81-90, jan./abr. 2009.

CUNHA, M. I. Inovações na educação superior: impactos na prática pedagógica e nos saberes da docência. Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 87-101, set./dez. 2016.

DAGNINO, R. P. Neutralidade da ciência e determinismo tecnológico: um debate sobre a tecnociência. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

ENRICONE, D. Ser professor. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

FEENBERG, A. A filosofia da tecnologia numa encruzilhada. 2002. Disponível em: http://www.sfu.ca/~andrewf/portu1.htm. Acesso em: 17 maio 2019.

LAMPERT , E. Universidade, docência e globalização. Porto Alegre: Sulina, 1999.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, 2002.

LUCARELLI, E. Una investigación em proceso: la formación de aprendizagens complejos en la universidad. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 4., 2004, São Leopoldo. Anais... São Leopoldo, RS, Unisinos, 2004. CD Room.

MARTINS, T. B. As metamorfoses do trabalho docente na Universidade Aberta do Brasil. São Carlos: UFSCAR, 2014

MARX, K. O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, [1876] 2006.

MILL, D. Docência virtual: uma visão crítica. Campinas: Papirus, 2012.

NOBLE, D. Social choice in machine design. In: ZIMBALIST, A. (Org). Case studies on the labor process. New York: Monthly Review Press, 1989.

NOVAES, H. T. O fetiche da tecnologia: a experiência das fábricas recuperadas. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: Pimenta , S. G. (Org). Saberes pedagógicos e atividade docente. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teórica e prática? 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

GIMENO SACRISTÁN, J. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.) Profissão professor. 2. ed. Porto, Portugal: Porto Editora, 1995.

SALINAS, J. Nuevos escenarios de aprendizaje. In: CONGRESO DE FORMACIÓN PARA EL TRABAJO, 4, 2005. Anais... Vigo, España, IFES, Fundación Forcem y Universidad de Vigo, 2005. p. 421-431.

SANTOS, B. S. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 2. ed. São Paulo: Cortez. 2000.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 2005.

SANTOS, B. S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 63, p. 237 280, 2002.

SGUISSARDI, V. (Org.). Educação superior: velhos e novos desafios. São Paulo: Xamã, 2000.

SILVA, F. L. Universidade: a idéia e a história. Estudos Avançados, São Paulo, v. 20, n. 56, p. 191-202, 2006.

SOUZA ARAÚJO, J. C. Pedagogia universitária: gênese filosófico-educacional e realizações brasileiras no século XX. Linhas Críticas, Brasília, v. 14, n. 26, p. 25-42, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.32i106.4477

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

 A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE