Avaliação da aprendizagem: um olhar a partir da concepção de estudantes da educação superior

Maria das Graças Auxiliadora Fidelis Barboza, Celia Maria Fernandes Nunes

Resumo


Estudo de caso desenvolvido mediante pesquisa de natureza exploratória, qualitativa e quantitativa, utilizando, para a coleta de dados, um questionário online (Google Docs) com questões abertas e fechadas. Participaram da pesquisa 511 estudantes dos cursos de licenciaturas, bacharelados e tecnológicos do 3º ao 8º semestre de uma instituição privada e confessional em 2017 e 2018. Com base na coleta, na sistematização e na análise dos dados, identificaram-se alguns avanços quanto à concepção de avaliação, a saber: tentativa de ruptura com a abordagem tradicional para uma abordagem formativa/processual; defesa de uma avaliação em parceria entre professor/estudante e estudante/estudante; sugestão de outros dispositivos avaliativos para além das tradicionais provas escritas. Os resultados indicam a necessidade de se compreender a prática docente e discente e seus significados educativos, de modo que não se aniquile a autonomia dos estudantes e professores como sujeitos desse processo.


Palavras-chave


concepção de avaliação; ensino superior; prática de ensino

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ MENDEZ, J. M. Avaliar para conhecer, examinar para excluir. Porto, Portugal: ASA, 2002.

ASTOLFI, J. P.; DEVELAY, M. A didática das ciências. Campinas: Papirus, 1990.

BARBOZA, M. G. A. F.; SOUZA, J. G. Avaliação da aprendizagem no ensino superior privado: múltiplos olhares dos estudantes. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA, 10., 2018, Porto Alegre, RS. Anais do X Congresso... Porto Alegre, EDIPUCRS, 2019. Disponível em: http://editora.pucrs.br/acessolivre/anais/cidu/assets/edicoes/2018/arquivos/398.pdf

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27833.

CANAN, S. R.; ELOY, V. T. Políticas de avaliação em larga escala: o ENADE interfere na gestão dos cursos? Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 11, n. 3, p. 621-640, set./dez. 2016.

CHAVES, S. Avaliação da aprendizagem no ensino superior: realidade, complexidade e possibilidades. In: REUNIÃO ANUAL ANPED, 27., 2004,

Caxambu. Anais... Caxambu: Anped, 2004. Disponível em: http://27reuniao.anped.org.br/gt04/t0412.pdf.

CUNHA, M. I. O professor universitário na transição de paradigmas. Araraquara: J M, 1998.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação educativa: produção de sentidos com valor de formação. Avaliação, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 193-207, mar. 2008.

ESTEBAN, M.T. (Org.) Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

FERNANDES, D. Para uma teoria da avaliação formativa. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 19, n. 2, p. 21-50, 2006.

GARCIA, J. Avaliação e aprendizagem na educação superior. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 20, n. 43, p. 201-213, maio/ago. 2009.

GATTI, B. A. O professor e a avaliação em sala de aula. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 27, p. 97-114, jan./jun. 2003.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIMENO SACRISTÁN, J. El curriculum: una reflexión sobre la práctica. 5. ed. Madri: Morata, 1988.

GUERRA, I. C. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo. Estoril, Portugal: Principia, 2006.

HADJI, C. A avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Porto, Portugal: Porto, 1994.

HADJI, C. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 1991.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação: mito e desafio – uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Mediação, 2004. 104 p.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2002.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. 17. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

LUDKE, M; ANDRÉ, M. E. D. A. A pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1996.

MEIRIEU, Philippe. Prefácio. In HADJI, Charles. A avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Porto, Portugal: Porto, 1994.

PERRENOUD, P. Avaliação, da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

SORDI, M. R. L. Avaliação da aprendizagem universitária em tempos de mudança: a inovação ao alcance do educador comprometido. In: VEIGA, I. P. A.; CASTANHO, M. E. L. M. (Orgs.) Pedagogia universitária: a aula em foco. Campinas: Papirus, 2000. p. 231-248.

STAKE, R. E. Investigación con estudio de casos. Madrid: Morata, 1998.

VASCONCELLOS, C. S. Avaliação: concepção dialética-libertadora do processo de avaliação escolar. 17. ed. São Paulo: Libertad, 2007.

VASCONCELOS, M. L. M. C. A formação do professor de ensino superior. São Paulo: Pioneira, 2000.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. São Paulo: Artmed, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.32i106.4462

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

 A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE