O livro-imagem na literatura para crianças e jovens: trajetórias e perspectivas

Luis Carlos Girão, Elizabeth Cardoso

Resumo


No presente artigo, propomo-nos realizar uma abordagem histórica e críticoliterária do livro-imagem, esse objeto artístico composto, essencialmente, em linguagem visual. Num primeiro momento, traçamos um panorama que acompanha a trajetória dos precursores desse objeto, entre os séculos 18 e 19, até seu firmamento como categoria entre os livros produzidos para crianças e jovens na virada dos séculos 20 e 21. Em seguida, realizamos uma breve análise crítica dos eixos para os quais se encaminha essa produção “sem palavras” na contemporaneidade: 1) camadas metaficcionais da narrativa em imagens plásticas; 2) forma do códex em paralelo com o desenrolar da narrativa; 3) drama sinestésico intensificado pela economia de cores e pelo foco no desenho/traçado; 4) portais como espaço-tempo de transição entre realidade e fantasia; 5) elementos gráficos acionam mobilidade no objeto libro; 6) livro como galeria de arte portátil; 7) inspiração em graphic novels e quadrinhos.


Palavras-chave


literatura contemporânea; literatura infantojuvenil; livro-imagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDER, M. Out! Out! Out! New York: Dial Books for Young Readers, 1968.

BAKER, J. Mirror. Somerville: Candlewick Press, 2010.

BENJAMIN, W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. Tradução de Marcus Vinicius Mazzari. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2002.

CARROLL, R. What Whiskers did. New York: Macmillan, 1932.

CARROLL, R. What Whiskers did. New York: Scholastic, 1965.

COELHO, N. N. A literatura infantil: história, teoria, análise. 4. ed. rev. São Paulo: Quiron, 1987.

COELHO, N. N. Literatura: arte, conhecimento e vida. São Paulo: Peirópolis, 2000.

COELHO, N. N. Dicionário crítico da literatura infantil e juvenil brasileira. 5. ed. rev. atual. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2006.

COELHO, N. N. Panorama histórico da literatura infantil/juvenil: das origens indoeuropeias ao Brasil contemporâneo. 5. ed. São Paulo: Manole, 2010.

COLÓN, R. Imagine! New York: Simon & Schuster, 2018.

COMENIUS, J. A. The Orbis Pictus of John Amos Comenius. Charleston: BiblioLife, 2009.

DIDI-HUBERMAN, G. O que vemos, o que nos olha. Tradução de Paulo Neves. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

DIDI-HUBERMAN, G. Diante da imagem: questão colocada aos fins de uma história da arte. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Editora 34, 2013.

DOWHOWER, S. Wordless books: promise and possibilities, a genre come of age. Yearbook of the American Reading Forum, Utah, v. 17, p. 57-79, 1997.

DRUCKER, J. The self-conscious codex: artists’ books and electronic media. SubStance, Madison, v. 26, n. 1, p. 93-112, 1997.

DRUCKER, J. Artists’ books and picturebooks: generative dialogues. In: KÜMMERLING-MEIBAUER, B. (Ed.). The Routledge companion to picturebooks. New York: Routledge, 2017. p. 291-301.

FURNARI, E. Esconde-esconde. São Paulo: Ática, 1980.

GROSS, M. He done her wrong: the great American novel and not a word in it – no music too. New York: Doubleday, Doran & Company Inc., 1930.

HUNT, P. Crítica, teoria e literatura infantil. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Cosac Naify, 2010. (Título original: Criticism, theory and children’s literatura. 1991).

JO, A. . [Consegue ouvir meu coração?]. Seoul: Hansol Soobook Publishing, 2017.

LAGO, A. Outra vez. Belo Horizonte: Miguilim, 1984.

LAGO, A. O cântico dos cânticos. São Paulo: Paulinas, 1992.

LAWSON, J. Sidewalk flowers. Illustrated by Sydney Smith. Toronto: Groundwood Books, 2015.

LEE, J. Door. San Francisco: Chronicle Books, 2018.

LEE, S. Onda. São Paulo: Cosac Naify, 2018.

LEE, S. A trilogia da margem: o livro-imagem segundo Suzy Lee. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

MACHADO, J. Ida e volta. Rio de Janeiro: Primor, 1976.

MORICONI, R. Bárbaro. São Paulo: Cia. das Letrinhas, 2013. Não paginado.

NIKOLAJEVA, M. Children’s literature comes of age: toward a new aesthetic. New York: Routledje, 2016.

NIKOLAJEVA, M.; SCOTT, C. Livro ilustrado: palavras e imagens. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

PALO, M. J. A ilustração na produção literária infantil: interdependência palavra e imagem. Fronteira Z, São Paulo, n. 9, p. 188-200, dez. 2012.

PALO, M. J.; FIUZA, M. M. Experiência de linguagem na escrita de infância. Revista Letras Raras, Campina Grande, v. 7, n. 3, p. 106-121, 2018.

PARAIN, N. Je fais mes masques. Paris: Flammarion, 1931.

PLAZA, J. O livro como forma de arte (I). Arte em São Paulo, São Paulo, n. 6, abr. 1982. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2019.

STEINLEN, T. A. Contes à Sara. Paris: L. Carteret, 1898.

STEWIG, J. W. Children and literature. Boston: Houghton Mifflin, 1980.

WARD, L. Gods’ Man: a novel in woodcuts. New York: Jonathan Cape, 1929.

WIESNER, D. Flotsam. Boston: Houghton Mifflin, 2006.

ZILBERMAN, R. Como e por que ler a literatura infantil brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.32i105.4385

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

 A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE