Contos tradicionais e as crianças: diálogos entre Portugal e Brasil

Claudia Leite Brandão, Ângela Balça

Resumo


O conto tradicional é marcado por características da narratividade e, por nascer da oralidade, é considerado um gênero importante que proporciona a leitores e ouvintes a inserção no mundo da literatura. Ademais, integra a cultura e o imaginário das pessoas, acompanhando-as ao longo do tempo. Pretende-se atribuir visibilidade ao gênero, com o objetivo de refletir acerca desse patrimônio cultural, por meio de análise do conto Caldo de pedra, na versão portuguesa, recolhida por Teófilo Braga, no século 19, e ainda na releitura em português de Portugal, escrita por Alice Vieira (2018) e ilustrada por Vanda Romão. Lançar-se-ão olhares, também,  sobre a versão em português do Brasil, escrita por Ana Maria Machado (2004) e ilustrada por Odilon Moraes. Desse modo, importa reiterar que, para a seleção do conto, considera-se como mote Teófilo Braga, em sua obra Contos tradicionais do povo português. O procedimento metodológico baseia-se na revisão de literatura, com obras que versam sobre o tema referido. Norteia-se a construção deste artigo com base na concepção de que esse gênero atua, significativamente, na formação e ampliação do repertório da criança, seja leitora ou ouvinte.


Palavras-chave


conto tradicional; literatura infantil; leitor; leitura.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIRIM (Portugal). Câmara Municipal. Sopa de pedra: receitas. 2018. Disponível em: . Acesso em: mar. 2018.

AZEVEDO, R. Conto popular, literatura e formação de leitores. Revista Releitura, Belo Horizonte, n. 21, p. 1-8, abr. 2007.

BALÇA, A. Contos tradicionais: língua, cultura e imaginário. In: AZEVEDO, F. (Coord.). Literatura infantil e imaginário. Braga: Centro de Investigação em Estudos da Criança, Universidade do Minho, 2015. p. 27-38.

BRAGA, T. Contos tradicionais do povo português. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1999. v. 1.

CALVINO, I. A tradição popular nos contos de fadas. In: CALVINO, I. Sobre os contos de fadas. Lisboa: Teorema, 2010. p. 97-113.

CANDIDO, A. A literatura e a formação do homem. In: CANDIDO, A. Textos de intervenção. São Paulo: Editora 34, 2010. p. 77-92.

CASCUDO, L. C. Contos tradicionais do Brasil. 2. ed. São Paulo: Global, 2010.

CASTAÑEDA, I. Z. Contos populares: Portugal, Brasil e São Carlos. São Carlos: Ed. da UFSCar, 2005.

COELHO, N. N. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.

GOMES, L. Contos populares brasileiros. São Paulo: Melhoramentos, 2014.

GUIMARÃES, R. Calidoscópio: a saga de Pedro Malazarte. São José dos Campos: JAC, 2006.

HALLEWELL, L. O livro no Brasil: sua história. São Paulo: Ed. da USP, 2005.

MACHADO, A. M. Histórias à brasileira: Pedro Malasartes e outras. Ilustradas por Odilon Moraes. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2004. v. 2.

MEIRELES, C. Problemas da literatura infantil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

PIMENTEL, F. Contos da carochinha. Rio de Janeiro: Quaresma, 1894.

PIRES, M. N. Literatura tradicional. In: CEIA, C. E-Dicionário de termos literários. 2009. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2019.

RAMOS, A. M. Tendências contemporâneas da literatura portuguesa para a infância e a juventude: desafios atuais. In: DEBUS, E.; JULIANO, D. B.; BORTOLOTTO, N. (Org.). Literatura infantil e juvenil: do literário a outras manifestações estéticas. Tubarão: Copiart; Unisul, 2016. p. 31-58.

RAMOS, F. B.; PANOZZO, N. S. P. Modalidades narrativas: contos lusitanos em quadrinhos. In: RAMOS, F. B.; PANOZZO, N. S. P. (Org.). Mergulhos de leitura: a compreensão leitora da literatura infantil. Caxias do Sul: Ed. da UCS, 2015. p. 75-92.

SALES, M. L. L. A presença das narrativas tradicionais no imaginário dos jovens em idade escolar. Évora, 2014. Manuscrito não publicado.

VIEIRA, A. Histórias tradicionais portuguesas. Ilustração Vanda Romão. [Alfragide, Portugal]: Caminho, 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.32i105.4384

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

 A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE