Redação do Enem: um olhar para os direitos humanos

Wagner Barros Teixeira

Resumo


O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) indica o desempenho dos alunos ao final da educação básica e permite o acesso à universidade. Organizado por áreas do conhecimento e eixos cognitivos, avalia entre outros aspectos, a produção de um texto escrito em que os alunos devem elaborar proposta de intervenção solidária sobre um tema, considerando os direitos humanos presentes em pactos e documentos internacionais dos quais o Brasil é signatário. A análise está fundamentada em documentos norteadores da educação brasileira e em considerações de investigadores que abordam o papel da escola no processo de promoção dos direitos humanos. Ao final, breve relato de experiência desenvolvida em Manaus, capital do Estado do Amazonas comprova a influência do Enem sobre a escola e, de maneira especial, sobre as práticas docentes.


Palavras-chave


direitos humanos; Enem; língua portuguesa; redação.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, L. A importância da escola para a construção de uma cultura de promoção e defesa dos direitos humanos. In: DESLANDES, K.; LOURENÇO, E. (Orgs.). Por uma cultura dos direitos humanos na escola: princípios, meios e fins. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011. p. 7-12.

ANTUNES, B.; CECCANTINI, J. L.; ANDRANDE, P. Anotações sobre o ensino da literatura e as avaliações da educação básica. In: BRASIL. Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Avaliações da educação básica em debate: ensino e matrizes de referência das avaliações em larga escala. Brasília, 2013. p. 249-257.

BRASIL. Congresso Nacional. Decreto Legislativo nº 4, de 23 de maio de 1989. Aprova o texto da Convenção das Nações Unidas contra a tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes. 1989. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2019.

BRASIL. Decreto nº 65.810, de 8 de dezembro de 1969. Promulga a Convenção Internacional sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 dez. 1969. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2019.

BRASIL. Decreto nº 4.377, de 13 de setembro de 2002. Promulga a Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher, de 1979, e revoga o Decreto nº 89.460, de 20 de março de 1984. 2002. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 set. 2002. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2019.

BRASIL. Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Portaria nº 109, de 27 de maio de 2009. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 maio 2009. Seção 1. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

BRASIL. Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Redação no Enem 2017: cartilha do participante. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2019.

BRASIL. Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Enem Portugal. 2019. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Diretrizes curriculares nacionais para a educação básica. Brasília, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Básica (SEB). Base nacional comum curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Média e Tecnológica (Semtec). Parâmetros curriculares nacionais: ensino médio. Brasília, 2000. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Média e Tecnológica (Semtec). PCN+ ensino médio: orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2002.

BRASIL. Presidência da República (PR). Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos; Ministério da Educação; Ministério da Justiça; Unesco, 2007. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2019.

BRASIL. Presidência da República (PR). Secretaria de Direitos Humanos (SDH). Programa Nacional de Direitos Humanos. Brasília, 2010.

BRASIL. Presidência da República (PR). Secretaria de Direitos Humanos (SDH). Educação em Direitos Humanos: diretrizes nacionais. Brasília, 2013.

CÂNDIDO, A. O direito à literatura. In: CÂNDIDO, A. Vários escritos. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Duas Cidades, 1995. p. 169-191.

DESLANDES, K. Por uma cultura dos direitos humanos na escola: etapas e procedimentos para a construção de projetos de intervenção. In: DESLANDES, K.; LOURENÇO, E. (Orgs.). Por uma cultura dos direitos humanos na escola: princípios, meios e fins. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011. p. 103-118.

MARTINO, M. C. et al. Competência V: recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para a elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. In: BRASIL. Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Exame Nacional do Ensino Médio: fundamentação teórico-metodológica. Brasília, 2005. p. 93-97.

MEDEIROS, M. A. Direitos humanos: uma paixão refletida. Belo Horizonte: Recimam, 2006.

MORRONE, M. L.; CESANA, M. R. O Exame Nacional do Ensino Médio e seus pressupostos. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 4., 2014, Porto. Anais... Goiânia: ANPAE, 2014. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2019.

NEVES, C. A. B. Direitos humanos e educação: a polêmica em torno da prova de redação do Enem 2015 e 2017. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas,

v. 57, n. 2, p. 731-755, maio/ago. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração universal dos direitos humanos. 1948. Disponível em: Acesso em: 2 fev. 2019.

SCARAMUCCI, M. V. R. Propostas curriculares e exames vestibulares: potencializando o efeito retroativo benéfico do ensino de LE (inglês). Contexturas, São José do Rio Preto, v. 5, p. 97-109, 2000.

SCHWARTZ, C. M.; OLIVEIRA, A. P. G. A avaliação da escrita no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 33., 2010, Caxambu. Anais... Caxambu: Anped, 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2019.

SILVA, F. C. O. As TICs e a língua portuguesa no ensino básico: possibilidades metodológicas. In: COELHO, I. M. W. S.; TEIXEIRA, W. B.; FERREIRA, C. J. (Orgs.). Múltiplos olhares sobre o ensino de línguas: tecnologias da informação

e comunicação. Manaus: Edua, 2017.

SILVA, J. Z. Relações entre a matriz de referência do Enem e documentos oficiais da educação brasileira: uma interpretação de recados para currículos de língua portuguesa e literatura do ensino médio. 2015. 90 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2015. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2019.

TEIXEIRA, W. B. Abordando os direitos humanos em aulas de expressão escrita em língua portuguesa. In: SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DA LÍNGUA PORTUGUESA, 6., 2017, Santarém, Portugal. Resumos... Santarém, Portugal: Escola Superior de Educação, 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2019.

TRAVAGLIA, L. C. Ensino de língua portuguesa no ensino médio e sua avaliação. In: BRASIL. Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Avaliações da educação básica em debate: ensino e matrizes de referências das avaliações em larga escala. Brasília, 2013. p. 219-247.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.32i104.4331

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

 A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE