Breve história da evolução do construto proficiência em línguas

Gladys Quevedo-Camargo

Resumo


Partindo do uso leigo do termo proficiência e da sua percepção como um conceito absoluto, ou seja, algo que um indivíduo possui ou não, descrevo brevemente a evolução do construto proficiência em línguas, recuperando seu sentido técnico com base na literatura pertinente e apresentando seis modelos propostos a partir da década de 1960 que objetivaram explicitar em que consiste ser proficiente em uma língua. Baseando-me em perspectivas mais amplas do construto proficiência e na sua compreensão como um conceito relativo, isto é, que se desenvolve parcial e gradativamente em diferentes aspectos, trato de algumas escalas de proficiência desenvolvidas como decorrência da evolução do construto estudado. Encerro com breves reflexões sobre as implicações desse construto abrangente para diferentes agentes envolvidos com o ensino, a aprendizagem e a avaliação de línguas no Brasil, como professores, autoridades educacionais, entre outros.


Palavras-chave


proficiência linguística; modelo de proficiência; competência comunicativa; habilidade linguístico-comunicativa.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN COUNCIL ON THE TEACHING OF FOREIGN LANGUAGES (ACTFL). ACTFL proficiency guidelines 2012. Alexandria, VA: ACTFL, 2012. Disponível em: https://www.actfl.org/sites/default/files/pdfs/public/ACTFLProficiencyGuidelines2012_FINAL.pdf. Acesso em: 4 mar. 2019.

ALLISON, D. Language testing and evaluation: an introductory course. Singapore: Singapore University Press and World Scientific Publishing, 1999.

ASSOCIATION OF LANGUAGE TESTERS IN EUROPE (ALTE). ALTE can-do statements. [S. d.]. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

BACHMAN, L. F. Fundamental considerations in language testing. Oxford: Oxford University Press, 1990.

BACHMAN, L. F.; PALMER, A. S. Language testing in practice: designing and developing useful language tests. Oxford: University Press, 1996.

CANALE, M. From communicative competence to communicative language pedagogy. In: RICHARDS, J. C.; SCHMIDT, R. W. (Eds.). Language and communication. London: Longman, 1983. p. 2-27

CANALE, M.; SWAIN, M. Theoretical bases of communicative approaches to second language teaching and testing. Applied Linguistics, Oxford, v. 1, n. 1, p. 1-47, 1980.

CELCE-MURCIA, M.; DÖRNYEI, Z.; THURRELL, S. Communicative competence: a pedagogically motivated model with content specifications. Issues in Applied Linguistics, Los Angeles, v. 6, n. 2, p. 5-35, 1995.

CENTRE FOR CANADIAN LANGUAGE BENCHMARKS (CCLB). Canadian language benchmarks: English as a second language for adults. Ottawa: CCLB, 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

CHOMSKY, N. Aspects of the theory of syntax. Cambridge, MA: MIT Press, 1965.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro europeu comum de referência para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Porto: Edições Asa, 2001. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

COUNCIL OF EUROPE. Common European Framework of Reference for Languages: learning, teaching, assessment – companion volume with new descriptors. Strasbourg, 2018. Disponível em: https://rm.coe.int/cefr-companion-volume-with-new-descriptors-2018/1680787989. Acesso em: 9 mar. 2019.

CUMMINS, J. P. Language proficiency and academic achievement. In: OLLER Jr., J. W. (Ed.). Issues in language testing research. Rowley, MA: Newbury House, 1983. p. 108-129.

DAVIDSON, F.; FULCHER, G. The Common European Framework of Reference (CEFR) and the design of language tests: a matter of effect. Language Teaching, Cambridge, v. 40, n. 3, p. 231-241, July 2007.

DE JONG, J. H.; VERHOEVEN, L. Modelling and assessing language proficiency. 1992. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

ELLIS, R. The study of second language acquisition. 2nd edition. Oxford: Oxford University Press, 2008.

HYMES, D. On communicative competence. In: PRIDE, J.; HOLMES, J. (Ed.). Sociolinguistics: selected readings. Harmondsworth: Penguin, 1972. p. 269-293.

ILARI, R. O estruturalismo linguístico: alguns caminhos. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, 2004. v. 3. p. 52-92.

LADO, R. Language testing. New York: McGraw-Hill, 1961.

MCNAMARA, T. Language testing. Oxford: Oxford University Press, 2000.

MOTALLEBZADEH, K.; MOGHADDAM, P. B. Models of language proficiency: a reflection on the construct of language ability. Iranian Journal of Language Testing, Mashhad, v. 1, n. 1, p. 42-48, Oct. 2011.

OLLER, J. W. Language tests at school. London: Longman, 1979.

QUEVEDO-CAMARGO, G. Proficiência linguística e avaliação da produção oral em língua inglesa na educação básica. In: EL-KADRI, M. S.; PASSONI, T. P.; GAMERO, R. (Orgs.). Tendências contemporâneas para o ensino de língua inglesa: propostas didáticas para a educação básica. Campinas: Pontes, 2014. p. 245-272.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, [1916] 2006.

SCARAMUCCI, M. V. R. Proficiência em LE: considerações terminológicas e conceituais. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, n. 36, p. 11-22, jul./dez. 2000.

STERN, H. H. Fundamental concepts in language teaching. Oxford: Oxford University Press, 1983.

VALDÉS, G.; FIGUEROA, R. Bilingualism and testing: a special case of bias. Norwood, NJ: Ablex Publishing Corporation, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.32i104.4286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

 A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0).

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE