Breve história da evolução do construto proficiência em línguas

Gladys Quevedo-Camargo

Resumo


Com base no uso leigo do termo proficiência – é fácil, rápido e simples aprender uma língua – e na sua percepção como conceito absoluto, foi utilizado o método da revisão bibliográfica para se recuperar o sentido técnico do construto proficiência em línguas e destacar seis modelos propostos a partir da década de 1960 sobre o que é ser proficiente em uma língua. O surgimento das escalas de proficiência contribuiu para a compreensão do construto como um conceito relativo, porque elas, desenvolvidas para contextos específicos, causaram impacto no ensino de línguas e no conteúdo e organização de livros didáticos. Conclui sobre as implicações desse construto para diferentes agentes envolvidos com: 1) ensino – escolha de materiais didáticos, definição do currículo, papel do professor de línguas; 2) aprendizagem – aluno consciente da relevância, da utilidade e do sentido da língua; 3) avaliação – alicerçada em necessidades comunicativas sociais reais.


Palavras-chave


proficiência linguística; modelo de proficiência; competência comunicativa; habilidade linguístico-comunicativa.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN COUNCIL ON THE TEACHING OF FOREIGN LANGUAGES (ACTFL). ACTFL proficiency guidelines 2012. Alexandria, VA: ACTFL, 2012. Disponível em: https://www.actfl.org/sites/default/files/pdfs/public/ACTFLProficiencyGuidelines2012_FINAL.pdf. Acesso em: 4 mar. 2019.

ALLISON, D. Language testing and evaluation: an introductory course. Singapore: Singapore University Press and World Scientific Publishing, 1999.

ASSOCIATION OF LANGUAGE TESTERS IN EUROPE (ALTE). ALTE can-do statements. [S. d.]. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

BACHMAN, L. F. Fundamental considerations in language testing. Oxford: Oxford University Press, 1990.

BACHMAN, L. F.; PALMER, A. S. Language testing in practice: designing and developing useful language tests. Oxford: University Press, 1996.

CANALE, M. From communicative competence to communicative language pedagogy. In: RICHARDS, J. C.; SCHMIDT, R. W. (Eds.). Language and communication. London: Longman, 1983. p. 2-27

CANALE, M.; SWAIN, M. Theoretical bases of communicative approaches to second language teaching and testing. Applied Linguistics, Oxford, v. 1, n. 1, p. 1-47, 1980.

CELCE-MURCIA, M.; DÖRNYEI, Z.; THURRELL, S. Communicative competence: a pedagogically motivated model with content specifications. Issues in Applied Linguistics, Los Angeles, v. 6, n. 2, p. 5-35, 1995.

CENTRE FOR CANADIAN LANGUAGE BENCHMARKS (CCLB). Canadian language benchmarks: English as a second language for adults. Ottawa: CCLB, 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

CHOMSKY, N. Aspects of the theory of syntax. Cambridge, MA: MIT Press, 1965.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro europeu comum de referência para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Porto: Edições Asa, 2001. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

COUNCIL OF EUROPE. Common European Framework of Reference for Languages: learning, teaching, assessment – companion volume with new descriptors. Strasbourg, 2018. Disponível em: https://rm.coe.int/cefr-companion-volume-with-new-descriptors-2018/1680787989. Acesso em: 9 mar. 2019.

CUMMINS, J. P. Language proficiency and academic achievement. In: OLLER Jr., J. W. (Ed.). Issues in language testing research. Rowley, MA: Newbury House, 1983. p. 108-129.

DAVIDSON, F.; FULCHER, G. The Common European Framework of Reference (CEFR) and the design of language tests: a matter of effect. Language Teaching, Cambridge, v. 40, n. 3, p. 231-241, July 2007.

DE JONG, J. H.; VERHOEVEN, L. Modelling and assessing language proficiency. 1992. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

ELLIS, R. The study of second language acquisition. 2nd edition. Oxford: Oxford University Press, 2008.

HYMES, D. On communicative competence. In: PRIDE, J.; HOLMES, J. (Ed.). Sociolinguistics: selected readings. Harmondsworth: Penguin, 1972. p. 269-293.

ILARI, R. O estruturalismo linguístico: alguns caminhos. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, 2004. v. 3. p. 52-92.

LADO, R. Language testing. New York: McGraw-Hill, 1961.

MCNAMARA, T. Language testing. Oxford: Oxford University Press, 2000.

MOTALLEBZADEH, K.; MOGHADDAM, P. B. Models of language proficiency: a reflection on the construct of language ability. Iranian Journal of Language Testing, Mashhad, v. 1, n. 1, p. 42-48, Oct. 2011.

OLLER, J. W. Language tests at school. London: Longman, 1979.

QUEVEDO-CAMARGO, G. Proficiência linguística e avaliação da produção oral em língua inglesa na educação básica. In: EL-KADRI, M. S.; PASSONI, T. P.; GAMERO, R. (Orgs.). Tendências contemporâneas para o ensino de língua inglesa: propostas didáticas para a educação básica. Campinas: Pontes, 2014. p. 245-272.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, [1916] 2006.

SCARAMUCCI, M. V. R. Proficiência em LE: considerações terminológicas e conceituais. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, n. 36, p. 11-22, jul./dez. 2000.

STERN, H. H. Fundamental concepts in language teaching. Oxford: Oxford University Press, 1983.

VALDÉS, G.; FIGUEROA, R. Bilingualism and testing: a special case of bias. Norwood, NJ: Ablex Publishing Corporation, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.32i104.4286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

Licença Creative Commons A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE