Avaliação da produção escrita de surdos em português como segunda língua em contexto inclusivo

Alexandre do Amaral Ribeiro, Amélia Escotto do A. Ribeiro

Resumo


A perspectiva inclusiva da educação escolar, adotada como política pública desde 2008, provocou uma mudança de paradigmas em relação à modalidade da língua que deve ser ensinada a surdos sinalizantes. As diferenças nas especificidades da escrita de alunos surdos e de alunos ouvintes acabam por provocar não somente resistência à proposta de educação inclusiva, mas também uma série de dúvidas sobre o processo de avaliação de surdos em contexto inclusivo e multilíngue, uma vez que, no mesmo ambiente de aprendizagem, coexistem o português escrito e a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Considerando o distanciamento entre as especificidades linguístico-discursivas e as práticas avaliativas, propõe-se uma análise crítica sobre o processo de avaliação da produção escrita de alunos surdos. Por fim, sugerem-se critérios avaliativos coerentes com os propósitos inclusivos, aliados a parâmetros do ensino de português escrito como segunda língua para surdos.


Palavras-chave


avaliação; português como segunda língua; produção escrita; surdez.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEGRÍA, J.; DOMÍNGUEZ, A. Los alumnos sordos y la lengua escrita. Revista Latinoamericana de Educación Inclusiva, Santiago de Chile, v. 3, n. 1, p. 95-111, 2009. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2019

ALONSO, M. Métodos de enseñanza de lectura y escritura en personas sordas: una mirada desde la práctica. [Mendoza]: Universidad Nacional de Cuyo, 2006.

ASENSIO, M. Los procesos de lectura en los deficientes auditivos. 1989. Tesis doctoral no publicada – Universidad Autónoma de Madrid, Madrid, 1989.

BELLES, R. La construcción interactiva de l’escriptura en nens i nenes sords petits mitjançant la dactilología. Suports: Revista Catalana d’Educació Especial i Atenció a la Diversitat, [Barcelona], v. 4 n. 1, p. 38-50, 2000.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 set. 2001. Seção 1E, p. 39-40. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Seção 1, p. 23. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de tradutor e intérprete da Língua Brasileira de Sinais – Libras. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 set. 2010. Seção 1, p. 1. Disponível em: . Acesso em:

abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 jul. 2015. Seção 1, p. 2. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi). Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Publicação online em 5 dez. 2014. 15 p. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Especial (Seesp). Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, 2001. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Especial (Seesp). Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, 2008. 19 p. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria nº 555/2007, prorrogada pela Portaria nº 948/2007, entregue ao Ministro da Educação em 7 de janeiro de 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2016.

CALZÓN, B. S. Cómo se enfrentan los alumnos sordos al lenguaje escrito. 2014. 83 f. Grado (Maestro de Educación Infantil) – Facultad de Educación, Universidad de Zaragoza, Zaragoza, 2014.

CLEMENTE, M.; DOMINGUEZ, A. B. La enseñanza de la lectura: un enfoque psicolinguístico y sociocultural. Madrid: Pirámide, 1999.

COLL, C.; PALACIOS, J.; MARCHESI, A. Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

COLL, C. et al. Desenvolvimento psicológico da educação: transtornos do desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2004. v. 3.

CUMMINS, J. Lenguaje, poder y pedagogía. Madrid: Morata, 2002.

DOMÍNGUEZ, A. B. El aprendizaje de la lectura en los niños sordos: una revisión del estado actual de la investigación. Salamanca: Universidad Pontificia de Salamanca, 1994.

FARIA, E. M. B.; ASSIS, M. C. (Orgs.). Língua portuguesa e libras: teorias e práticas. João Pessoa: Ed. da UFPB, 2012. v. 5.

FERNANDES, S. É possível ser surdo em português? Língua de sinais e escrita: em busca de uma aproximação. In: SKLIAR, C. (Org.). Atualidades na educação bilíngue para surdos. Porto Alegre: Mediação, 1999. v. 2, p. 59-81.

FERNANDES, S. Avaliação em língua portuguesa para alunos surdos: algumas considerações. Curitiba, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2019.

FERNÁNDEZ, V.; MACCHIAVELLO, D.; CORONADO, F. S. Evaluación de la escritura de estudiantes sordos bilingües. Estudios Pedagógicos, Valdivia, v. 42, n. 2, p. 171-191, 2016.

FIRME, T. P.; LETICHEVSKY, A. C. O desenvolvimento da capacidade de avaliação no século XXI: enfrentando o desafio através da meta-avaliação. Meta: Avaliação, [Rio de Janeiro], v. 2, n. 5, p. 180-195, maio/ago. 2010.

GUTIÉRREZ, A. B. D. ¿Cómo acceden los alumnos sordos al lenguaje escrito? Enseñanza: Anuario Interuniversitario de Didáctica, Salamanca, n. 21, p. 201-218, 2003. Disponible en: .

GUTIÉRREZ, R. C. Cómo escriben los sordos. Málaga: El Aljibe, 2004.

GUTIÉRREZ, R. C. Análisis del proceso de transcripción en la expresión escrita de alumnos sordos. Revista Complutense de Educación, Madri, v. 23, n. 2, p. 331-346, jul./dic. 2012.

HERRERA, V.; PUENTE, A.; ALVARADO, J. M. Visual learning strategies to promote literacy skills in prelingually deaf readers. Revista Mexicana de Psicología, Ciudad de Mexico, v. 31, n. 1, p. 1-10, ene. 2014.

HIDALGO, N.; MURILLO, F. J. Evaluación de estudiantes para la justicia social: propuesta de un modelo. Revista Internacional de Educación para la Justicia Social, Madrid, v. 5, n. 2, p. 159-179, jul./dic. 2016.

KARNOPP, L. O poder da escrita e a escrita do poder. In: LODI, A. C. et al. (Org.) Leitura e escrita no contexto da diversidade. Porto Alegre: Mediação, 2004. p. 19-26.

KING, C.; QUIGLEY, S. Reading and deafness. San Diego: College-Hill Press, 1985.

LODI, A. C. et al. (Org.). Leitura e escrita no contexto da diversidade. Porto Alegre: Mediação, 2004.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MASSONE, M. I.; BUSCAGLIA, V.; BOGADO, A. Los sordos aprenden a escribir sobre la marcha. Revista Lectura y Vida, Buenos Aires, v. 26, n. 4, p. 1-17, dic. 2005. Disponível em: .

MERTENS, D. M. The inclusive view of evaluation: visions for the new millennium. In: DONALDSON, S. I.; SCRIVEN, M. (Eds.). Evaluating social programs and problems: visions for the new millennium. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 2003. p. 91-107.

MIES, A. Apropiación de la lengua escrita. En: SILVESTRE, N. (Coord.). Sordera: comunicación y aprendizaje. Barcelona: Masson, 1998. p. 109-121.

MIES, A.; RAMSPOTT, A. El acceso a la lengua escrita: consideraciones en torno a las peculiaridades del alumnado sordo. Fiapas, Madri, v. 52, p. 39-42, 1996.

MORALES, A.; VALLES, B. Análisis de fenómenos gramaticales en la escritura de escolares sordos venezolanos. En: MORALES, A. (Ed.). Educación para sordos. Caracas: Fondo Editorial de la Universidad Pedagógica, 2002. p. 57-64.

PÉREZ, Y. Concepciones de la sordera y tendencias en la educación del sordo: correlación necesaria. Laurus, Caracas, v. 7, n. 11, p. 81-94, 2002.

POWERS, S. From concepts to practice in deaf education: a United Kingdom perspective on inclusion. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, Cary, v. 7, n. 3, p. 230-243, July 2002.

ROPOLI, E. A. et al. A educação especial na perspectiva da inclusão escolar: a escola comum inclusiva. Brasília: MEC/Seesp; Fortaleza: UFC, 2010.

SILVA, S. G. L. Compreensão leitora da língua portuguesa como segunda língua em sujeitos surdos. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, n. 2, p. 275-288, abr./jun. 2015.

SOTOMAYOR, C. et al. Calidad de la escritura en la educación básica. Santiago de Chile: Centro de Investigación Avanzada, Universidad de Chile, 2014. (Documento de Trabajo, n. 13).

SILVESTRE, N.; VALERO, J. Investigación e intervención educativa en el alumnado sordo: cuestiones sobre la integración escolar. Infancia y Aprendizaje, Madrid, v. 18, p. 31-44, jan. 1995.

THEODORO, F. I. S. B. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor: PDE – produções didático-pedagógicas. Curitiba: Governo do Estado do Paraná, 2013.

WERNECK, C. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de Janeiro: WVA, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.32i104.4233

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

Licença Creative Commons A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE