Nosso vizinho, o apocalipse: mídia e educação ambiental em tempos de (in)cons/ciência

Lêda Valéria Alves da Silva, Sílvia Nogueira Chaves

Resumo


Os modos pelos quais a mídia produz e faz circular discursos e saberes em relação ao meio ambiente, por meio da ideia de consciência ambiental, são discutidos com base em ferramentas conceituais produzidas por Michel Foucault. Nosso objetivo é problematizar a consciência ambiental como um potente governo do corpo da população, assumindo “para si” a responsabilidade de guiar o “rebanho” rumo à redenção/salvação do planeta. Para tanto, são analisados documentários e charges que circulam na internet e aponta-se que o discurso midiático, ao instituir verdades que circulam entre pessoas, acaba por produzir modos de vida, ensinando, principalmente, como se deve agir diante daquilo que chamamos de destruição ambiental, por meio da educação ambiental.


Palavras-chave


Ensino de Biologia, Educação Ambiental, Mídia

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2002.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2011.

BARRENECHEA, M. A. Nietzsche e o corpo. Rio de Janeiro: 7letras, 2009.

CAZUZA. Exagerado. In: CAZUZA. Exagerado. Rio de Janeiro: Som Livre, 1985.

DESCARTES, R. Discurso do método: para bem conduzir a própria razão e procurar a verdade nas ciências. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Os Pensadores).

FERREIRA, E. G. S.; LIMBERGER, D. C. H. Vídeo-documentário como ferramenta sensibilizadora de educação ambiental, nos Butiazais de Tapes (RS). Revista Eletrônica Científica da UERGS, Porto Alegre, v. 3, n. 4, p. 764-775, 2017.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FUENTES, N. M. M.; COSTA, R. N.; RUTA, C. Cinema e educação ambiental no Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba: reflexões e práticas interdisciplinares e transversais. Educação & Sociedade, v. 37, n. 136, p. 893-911, jul./set. 2016.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

INCERTI, F. O nascimento do inquérito na tragédia de “Édipo-Rei”: uma leitura foucaultiana. Kriterion: Revista de Filosofia, Belo Horizonte, v. 57, n. 134, p. 545-564, maio/ago. 2016.

MARTON, S. Extravagâncias: ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo: Discurso; Ijuí: Unijui. 2001.

MOSTRA INTERNACIONAL DE HUMOR SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 1., 2012, Rio Grande. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2018.

NEGRI, A.; HARDT, M. Declaração: isto não é um manifesto. São Paulo: n-1 Edições, 2016.

NIETZSCHE, F. Ecce homo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

NIETZSCHE, F. Obras incompletas. São Paulo: Editora 34, 2014.

ONATE, A. M. O crepúsculo do sujeito em Nietzsche ou como abrir-se a filosofar sem metafisica. São Paulo: Discurso, 2000.

PESSOA, Fernando. Poesias inéditas (1930-1935). [Nota prévia de Jorge Nemésio]. Lisboa: Ática, [1955] 1990.

SANTOS, D. [charge sem título]. In: MOSTRA INTERNACIONAL DE HUMOR SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 1., 2012, Rio Grande. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2018.

SILVA, F. L. Descartes: a metafísica da modernidade. São Paulo: Moderna, 2006.

SIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real. São Paulo: Boitempo, 2003.

SOCRAM, M. [charge sem título]. In: MOSTRA INTERNACIONAL DE HUMOR SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 1., 2012, Rio Grande. 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2018.

TERRA. [Documentário]. Direção de Yann Arthus-Bertrand. Produção de Yann Arthus-Bertrand e Michael Pitiot. Paris: EurpoaCorp, 2015. (120 min). Disponível em: . Acesso em: 22 de nov. 2018.

ÚLTIMA hora, A. [Documentário]. Direção de Nadia Conners e Leila Conners. Produção de Leonardo DiCaprio, Leila Conners, Chuck Castleberry, Brian Gerber. Burbank: Warner Independent Pictures, 2007. 1 filme (95 min).




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.31i103.4029

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

Licença Creative Commons A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE