Transparência versus opacidade na educação em ciências: as imagens na física de partículas elementares

Henrique César da Silva, Jonathan T. J. Neto

Resumo


Imagens são frequentemente utilizadas na educação em ciências apenas como ferramentas de ensino, supondo uma transparência delas em relação aos sentidos e ao mundo. Apoiado em trabalhos dos campos da epistemologia, da história da ciência e da análise de discurso como referenciais, o estudo opõe a imagem como opacidade à imagem como transparência, destacando aspectos de suas condições de produção. Para verificar se a imagem aparece como representação ou como objeto construído, são empregadas noções como memória discursiva, intericonicidade e cultura material, para analisar dispersões, regularidades, deslocamentos e efeitos metafóricos entre imagens relativas às partículas elementares do campo da física, que dão visibilidade à sua materialidade histórica, ou seja, à sua opacidade. As imagens não são transparentes em relação aos conceitos nem em relação à realidade. Trabalhar imagens como opacidade, como objeto construído, possibilita práticas de ensino em que elas sejam tomadas como objetos de estudo.


Palavras-chave


imagem; transparência/opacidade; discurso; teoria quântica; partículas elementares

Texto completo:

PDF

Referências


ATLAS EXPERIMENT. Precise measurement of the Higgs boson mass. 2014. Disponível em: . Acesso em: maio 2018.

BACHELARD, G. A epistemologia. Lisboa: Edições 70, 2006.

BACHELARD, G. A experiências do espaço na física contemporânea. Rio de Janeiro: Contraponto, 2010.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuições para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

CERN COURIER. Genève: European Organization for Nuclear Research, v. 3, n. 2, févr. 1963.

CERN COURIER. Genève: European Organization for Nuclear Research, v. 55, n. 2, mar. 2015.

CERN. Higgs candidate decaying into two taus in ATLAS detector. ATLAS 205. 2012. Disponível em: . Acesso em: maio 2018.

CICLOTURISMO no lagamar. 2004. Crédito da foto: Jorge Blanquer. Disponível em: . Acesso em: jan. 2015.

COURTINE, J. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Petrópolis: Vozes, 2013.

FLECK, L. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 21. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

GALISON, P. L. Image and logic: a material culture of microphysics. Chicago: The University of Chicago, 1997.

GIRELLI, P. S. Circulação e textualização das nanotecnologias no contexto da agropecuária: subsídios para o ensino de Física. 2016. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

GRUPEN, C.; SHWARZ, B. Particle detectors. 2. ed. New York: Cambridge University Press, 2008.

HALLYDAY, D. Fundamentos de física: mecânica. Rio de Janeiro: LTC, 2009. v. 1.

JESUS NETO, T. J. Imagens, conhecimento físico e ensino de partículas elementares: discursos na formação inicial de professores de Física. 2015. 161 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

JESUS NETO, T. J.; SILVA, H. C. A textualização da física de partículas em um livro de divulgação científica. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 15., 2014, São Sebastião. Anais... São Sebastião: EPEF, 2014.

JESUS NETO, T. J.; SILVA, H. C. Intericonicidade, regularidade e memória e imagens sobre partículas elementares. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, 22., 2017, São Carlos. Anais... São Carlos: SNEF, 2017a.

JESUS NETO, T. J.; SILVA, H. C. Imagens sobre partículas elementares: relações entre a circulação e o âmbito escolar. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, n. extraordinario, p. 3531-3536, 2017b.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1995.

LANDSHOFF, P.; JACOB, M. The inner structure of the proton. Scientific American, New York, v. 242, n. 3, p. 46-55, Mar. 1980.

LARSON, G. Contrails 002. 2005. Disponível em: . Acesso em: dez. 2018.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade fora. São Paulo: Ed. da UNESP, 2000.

LATTES. C. M. G. et al. Processes involving charged mesons. Nature, v. 259, p. 694-697, May 24, 1947.

LIMA, J. H. G. Circulação da ciência: relações entre o discurso referente à ciência e o discurso de autoajuda. 2017. 117 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

MALDIDIER, D. A inquietação do discurso. Campinas: Pontes, 2003.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

PALMA, H. A. Metáforas e modelos científicos: a linguagem no ensino de ciências. São Paulo: Ed. SM, 2009.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 49-58.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 1995.

PESSOA JUNIOR, O. Discussão geral das novas ideias formuladas [no] 5º Congresso de Solvay (1927). In: PESSOA JUNIOR, O. (Org.). Fundamentos da física 2 – Simpósio David Bohm. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2001. p. 139-172. Disponível em: . Acesso em: dez. 2018.

PESSOA JUNIOR, O. Conceitos de física quântica: volume 1. São Paulo: Livraria da Física, 2003.

PESSOA JUNIOR, O. Conceitos de física quântica: volume 2. São Paulo: Livraria da Física, 2006.

PESSOA JUNIOR, O. A representação pictórica de entidades quântica na química. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola, São Paulo, n. 7, p. 25-33, dez. 2007.

PIETROCOLA, M. et al. Unidade 3 – Radiação e matéria. In: PIETROCOLA, M. et al. Física em contextos. São Paulo: Ed. do Brasil, 2016. V. 3.

PHOTOGRAPHY AT THE SPEED OF LIFE [Blog]. Like it in black and white. 2012. Disponível em: . Acesso em: jun. 2018.

RADIATE gluon. 2006. Disponível em: . Acesso em: jun. 2018.

SHAPIN, S. Bomba e circunstância: a tecnologia literária de Robert Boyle. In: SHAPIN, S. Nunca pura: estudos históricos de ciência como se fora produzida por pessoas com corpos, situadas no tempo, no espaço, na cultura e na sociedade e que se empenham por credibilidade e autoridade. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013. p. 90-117.

SILVA, H. C. Ciência, política, discurso e texto: circulação e textualização – possibilidades no campo da educação científica e tecnológica. Ciência & Ensino, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 72-94, 2014.

SILVA, H. C. Discursos escolares sobre gravitação newtoniana: textos e imagens na física do ensino médio. 2002. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas, 2002.

SILVA, H. C. et al. Cautela ao usar imagens em aulas de ciências. Ciência e Educação, Bauru, v. 12, n. 2, p. 219-233, 2006.

SILVA, H. C. Lendo imagens na educação científica: construção e realidade. Pro-Posições, Campinas, v. 17, n. 1, p. 71-83, jan./abr. 2006.

STERCHI, R. S. The biggest enlargement? CERN Courier, Genève, v. 1, n. 10, p. 6-7, mars 1960.

TAYLOR, L. Computer simulation of particle traces from an LHC collision in which Higgs Boson is produced [image]. [2013?]. In: THE NEED for the Higgs. Disponível em: . Acesso em: maio 2018.

VIEIRA, C. L.; VIDEIRA, A. A. P. O papel das emulsões nucleares na institucionalização da pesquisa em física experimental no Brasil. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 2603-1–2603-11, 2011.

WILSON, C. T. R. On an expansion apparatus for making visible the tracks of ionising particles in gases and some results obtained by its uses. Proceedings of the Royal Society of London A, v. 87, n. 595, p. 277-292 + Plates 6-9, 1912. Disponível em: . Acesso em: dez. 2018.

RADIATE gluon. 2006. Disponível em: . Acesso em: jun. 2018.

YOUNG, H. D.; FRIEDMAN, R. A. Física III: eletromagnetismo. 12. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.31i103.3993

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

Licença Creative Commons A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE