Formação de professores em educação especial no “Plano Nacional de Educação Proposta da Sociedade Brasileira” de 1997

Mariana Luzia Corrêa Thesing, Ana Paula dos Santos Ferraz, Bruna de Assunção Medeiros, Fabiane Adela Tonetto Costas

Resumo


A formação de professores está relacionada às escolhas político-pedagógicas diante de determinadas concepções de sociedade, de homem e de educação. Ante essa premissa, são analisadas as políticas públicas referentes à formação de professores, especialmente os de educação especial, e suas relações com o “Plano Nacional de Educação Proposta da Sociedade Brasileira” (PNE-Coned), elaborado pela comissão organizadora do II Congresso Nacional de Educação (Coned), em 1997. A metodologia adotada foi a análise documental. Conclui-se que as políticas públicas referentes à formação de professores em vigor no Brasil parecem não contribuir efetivamente com esses processos em um viés emancipatório. Os resultados também apontam que o PNE-Coned, elaborado coletivamente por associações e entidades da sociedade civil, apresenta metas e diretrizes ainda contemporâneas para os processos de formação de professores. 


Palavras-chave


Educação Especial; Formação de Professores; Plano Nacional de Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, 2001. Disponível em: . Acesso em: abr. 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na educação básica, modalidade educação especial. Brasília, 2009. Disponível em: Acesso em: abr. 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Conselho Pleno (CP). Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Pedagogia, licenciatura. Brasília, 2006. Disponível em: . Acesso em: abr. 2016.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em: .

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27833.

BRASIL. Lei nº 12.796, de 2 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor para a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 abr. 2013. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: abr. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Nota técnica SEESP/GAB/nº 9/2010, de 9 de abril de 2010. Orientações para a organização dos centros de atendimento educacional especializado. Brasília: MEC/SEESP, 2010a.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Nota técnica SEESP/GAB/nº 11/2010, de 7 de maio de 2010. Orientações para a institucionalização da oferta do atendimento educacional especializado - AEE – salas de recursos multifuncionais, implantadas nas escolas regulares. Brasília: MEC/ SEESP, 2010b.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Plano plurianual 2008-2011: projeto de lei. Brasília: MPOG, 2007. Disponível em: Acesso em: abr. 2016.

BOLLMANN, M. D. G. N. Revendo o Plano Nacional de Educação: proposta da sociedade brasileira. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 657-676, jul./set. 2010. Disponível em: .

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 295-316.

CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (Coned). Plano Nacional de Educação Proposta da Sociedade Brasileira. Belo Horizonte: [s.n.], 1997. Disponível em: http://www.adusp.org.br/files/PNE/pnebra.pdf [sem paginação].

COSTAS, F. A. T.; TAMBARA, K. G. A nova Política Nacional de Educação Especial no Brasil e suas decorrências para o atendimento de alunos com transtornos de aprendizagem. In: CONGRESSO INTERNACIONAL GALEGO-PORTUGUÊS DE PSICOPEDAGOGIA, 12., 2013, Braga, Portugal. Atas... Braga: Centro de Investigação em Educação; Instituto de Educação, Universidade do Minho, 2013. p. 423-438.

EVANGELISTA, O.; TRICHES, J. Curso de Pedagogia, organizações multilaterais e o superprofessor. Educar em Revista, Curitiba, n. 45, p. 185-198, jul./set. 2012.

GARCIA, R. M. C. Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 52, p. 101-119, jan./mar. 2013.

GARCIA, R. M. C. Para além da “inclusão”: crítica às políticas educacionais contemporâneas. In: EVANGELISTA, O. (Org.). O que revelam os slogans na política educacional. Araraquara: Junqueira & Marin, 2014. p. 101-140.

MICHELS, M. H. O instrumental, o gerencial e a formação a distância: estratégias para a reconversão docente na perspectiva da educação inclusiva. In: CAIADO, K. R. M.; JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R. (Org.). Professores e educação especial: formação em foco. Porto Alegre: Mediação, 2011. p. 79-90.

MICHELS, M. H.; GARCIA, R. M. C. Sistema educacional inclusivo: conceito e implicações na política educacional brasileira. Cadernos CEDES, Campinas, v. 34, n. 93, p. 157-173, 2014.

PERTILE, E. B. Sala de recursos multifuncional: a proposta oficial para o trabalho docente frente às necessidades educacionais dos alunos com deficiência intelectual. 2014. 165 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Comunicação e Artes, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2014. Disponível em . Acesso em: 8 jan. 2016.

SHIROMA, E.; SANTOS, F. A. Slogans para a construção do consentimento ativo. In: EVANGELISTA, O. (Org.). O que revelam os slogans na política educacional. Araraquara: Junqueira & Marin, 2014. p. 21-46.




DOI: http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.30i98.3240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Em Aberto, Brasília, DF, Brasil. e-ISSN:  2176-6673

Licença Creative Commons A Em Aberto está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

 

EdubaseDiadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas BrasileirasPublic Knowledge Project
EZ3 - Elektronische ZeitschriftenbibliothekOEI - Organización de Estados IberoamericanosIbict
LatindexBASE